APIS-AVIA

Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via

APIS-AVIA
Dr. Alexandre Alonso — Presidente do APIS-AVIA

Saiba mais sobre a APIS-AVIA

Seja bem vindo(a) ao espaço oficial da Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – APIS-AVIA.

Somos uma associação profissional, que visa defender os direitos dos profissionais Psicanalistas, bem como contribuir para a expansão e o desenvolvimento da Psicanálise no país.

Quem Somos

Somos uma associação profissional, que visa defender os direitos dos profissionais Psicanalistas, bem como contribuir para a expansão e o desenvolvimento da Psicanálise no país.

A Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via (APIS-AVIA), criada em 02 de Janeiro do ano de 2022 e registrada no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas, . Reg. Gero Oliva em Belo Horizonte MG, situado na Av. Afonso Pena, 732 – 2º. Andar sob o no 116.406 fl.162 L C7o 12º com sua sede na Rua Tupis, 457 sala 503, Centro, no Estado de Minas Gerais em Belo Horizonte, CEP: 30.190-060 se propõe dentro de suas possibilidades a ter os seguintes objetivos:

sobre nós

A história da nossa associação

História da Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via:

O movimento que gerou a Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – nasceu da persistência do Dr. Alexandre Motta Alonso, Psicanalista, professor do Instituto Superior de Psicanálise A Via, interessado em construir uma história que marque a formação de novos psicanalistas e o pensamento psicanalítico brasileiro e de uma associação que busque a identificação com as boas práticas da Associação Internacional de Psicanálise (IPA) .

Atualmente, a Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – APIS-AVIA é composta de Membros Efetivos e Membros Associados.

A associação visa garantir que os membros continuem participando de seminários teóricos e clínicos e mantenham a formação contínua como um projeto de vida do psicanalista e em conformidade com a ética psicanalítica e a prática clínica.

Os seminários teóricos e os grupos de estudos são importantes ferramentas e aliada na formação dos psicanalistas nos dias de hoje. Por meio destes seminários, estamos colhendo os frutos de muito trabalho e investimento. A maioria dos membros colaboram nas atividades internas, docência e eventos científicos

Dando continuidade a sua história, a Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – APIS-AVIA em sua trajetória, marca presença no cenário da psicanálise brasileira com força e influência no pensar psicanalítico e no desenvolvimento científico promovendo uma formação psicanalítica de qualidade e eventos científicos nacionalmente reconhecidos.

Nossos números

4+

Estados

5+

Cidades

7+

Associados

5+

Diretoria

Filie-se

Torne-se um membro associado e faça parte da Associação que esta sempre ao lado daqueles que defendem a Psicanálise e e junte-se aos psicanalistas formados no Instituto A Via e outras instituições.

Anuidade

Estimados membros associados, a renovação da filiação acontece entre o dia 02 de janeiro e 28 de fevereiro de cada ano, fique atento ao prazo para regularizar e renovar o seu cadastro.

Membros-associados

Nossos associados, são Membros Efetivos e Membros Associados da Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – APIS-AVIA.

Informações Importantes

Presidente: Alexandre Motta Alonso

Vice-Presidente: Gil Carlos Silva

Secretária Geral: Ione Antônia Pereira Coelho

Vice-Secretária: Marta de Azevedo Ferreira

Tesoureiro: Gustavo Ribas Resende

Diretor do Instituto de Psicanálise: Alexandre Motta Alonso

Diretor Científico: Gustavo Ribas Rezende

Diretora do Departamento de Atenção Psicanalítica: Marta de Azevedo Ferreira

Diretor de Diversidade e Cultura: Alexandre Motta Alonso

  • Congregar Psicanalistas e demais Pesquisadores e interessados no estudo da Psicanálise, podendo, para estes fins, manter Cursos Livres de Teoria e Prática Psicanalítica, promover Jornadas, Congressos, Simpósios e outros eventos;
  • Representar e defender os interesses dos seus associados perante as autoridades constituídas, zelando pelo bom nome da Associação e dos e seus filiados;
  • Realizar debates e estudos sobre Psicanálise, assuntos pertinentes a área, reuniões culturais e recreativas para sócios e interessados em geral;
  • Normatizar o trabalho de seus membros-associados, primando pela boa formação e pela conduta ética ilibada, razão pela qual trabalhamos dia após dia;
  • Zelar por seus direitos, além de servir de faról para aqueles profissionais que primam pela excelência e também para os cidadãos brasileiros que podem ter a APIS-AVIA como referência na busca por profissionais de qualidade em suas regiões.
  • Fundadores – aqueles que assinaram a ata de fundação da APIS-AVIA registrada em cartório;
  • Efetivos – aqueles que se associaram no ato da fundação ou vieram a se associar após a fundação da APIS-AVIA, de acordo com seu Estatuto e Regimento; 

Os membros efetivos podem ser:

  • Sênior – Os membros com curso superior entram na categoria de membro sênior com habilitação para clinicar, supervisionar e trabalhar como analista didata;
  • Pleno – Os membros sem formação superior entram como pleno e a habilitação autoriza o mesmo apenas a clinicar;
  • Aprendiz – Os membros em formação psicanalítica que ainda não cumpriram o tripé analítico (análise pessoal e didática, supervisão e 2.400 horas mínimas de estudo teórico).
  • Honorários – aqueles que prestaram relevantes serviços a APIS-AVIA ou à Psicanálise, a critério da Assembleia Geral (AG).
    Para inscrever-se como membro (associado) da Associação dos Psicanalista do Instituto A Via – você deve-se acessar Filie-se abaixo, preencher a ficha e nos enviar junto com todos os documentos e demais evidências solicitadas na ficha.

A Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – APIS-AVIA, segue os padrões da International Psychoanalytical Association – IPA – e exige preparação, estudos e prática clínica supervisionada, antes que um candidato possa ser considerado psicanalista.

Os candidatos à filiação precisam preencher requisitos em termos éticos, psicológicos e profissionais para serem aceitos na associação.

Exige-se que tenham passado por uma sólida formação em Psicanálise Clínica e que já tenham se submetido previamente à análise pessoal e supervisão.

Após processo de admissão, que consta, inclusive, de entrevistas com analistas didatas da Associação dos Psicanalistas do Instituto A Via – APIS-AVIA, são admitidos como membros da associação.

A exclusão automática do membro (associado), ocorre quando houver inadimplência pelo prazo de 02 (dois) anos.

Uma nova inclusão será mediante o reenvio da filiação e nova avaliação de admissão por parte da Assembleia Geral, conforme previsão no nosso Estatuto.

Fique atento(a)! Renove sua APIS-AVIA anualmente e mantenha atualizado seu cadastro.

 

Para fazer o pagamento da nova anuidade, realize o pagamento do boletou ou Pix no valor de R$ 120,00 (cento e vinte reais) e, em seguida enviar cópia digitalizada do comprovante para o e-mail:

associacao.financeiro@institutoavia.online

1972

“Juramos perante todos os poderes do homem e, acima de tudo, perante nossas próprias consciências, fazer dos ensinamentos básicos da Psicanálise, uma chama sempre viva que iluminará perenemente, os inescrutáveis caminhos que devemos percorrer em busca da verdade, do direito e da fé para com nossos semelhantes. Jamais permitiremos que os poderes que nos foram conferidos, através do conhecimento do psiquismo humano, sirvam para criar privilégios ou manter o poder de uma minoria, em detrimento da coletividade; e, mesmo assim, faremos o possível para que esta, em seu poder avassalador, não transforme os seres humanos em, apenas, mais uma unidade de sua força.

Tudo faremos para que o Homem apareça sob sua verdadeira imagem, protegido pelo inalienável direito de Liberdade. Fraternidade e Amor ao próximo, sentimentos que transformam os seres humanos em constelações de um todo e único Universo.

Nunca nos deixaremos intimidar pela aparente fraqueza da espécie humana e, diante disto, jamais empregaremos o ódio, a vingança, ou a acusação, para aplacarmos através deles, o nosso próprio medo, covardia ou a vergonha. Usaremos sempre da maior cautela possível ao analisarmos nossos semelhantes e, antes de estruturarmos a nossa concepção, prometemos viver os dramas que descobrimos, para assim, conscientemente, acharmos os necessários mecanismos que lhes sirvam de defesa para o completo restabelecimento de seu equilíbrio Psicossomáticos.

Mesmo nas horas mais difíceis juramos não transformar estes conhecimentos em situação mercantilizadora. Muito ao contrário, faremos de nossas naturais fraquezas, novas forças para continuarmos o nosso trabalho de pesquisa do psiquismo humano. Todas as descobertas úteis deverão se transformar em direito comum, com o qual procuraremos moldar a Humanidade, não ao sabor de nossas exigências, mas sim na imperiosa norma de suas naturais necessidades.

Criaremos em conjunto, ao lado do respeito para com os complicados mistérios da “psique humana”, sentimentos de desprendimento, igualdade e compreensão. Somente assim, despidos de quaisquer melindres condicionadores, caminharemos para nossos verdadeiros destinos, através da História, criando — sempre — condições para que o sentimento da caridade possa imperar.

Sempre nos conduziremos através dos diálogos e das pesquisas. Nunca nos contentaremos com uma só verdade. E, ao lado das relações humanas que, acima de tudo, criaremos em nosso meio ambiente, chegaremos à análise científica de todos os traumas que assolam a humanidade, para assim, dentro do vasto campo da Psicanálise, que adotamos por doutrina, tentarmos encontrar as verdadeiras soluções, onde quer que estejam.

De posse delas, sem os limites impostos pelos costumes, pelos partidarismos político religiosos ou pela moral radicalizadora, prometemos, cause o impacto que causar, usá-las em benefício da espécie humana, numa missão que sabemos árdua, mas que por isto mesmo, juramos hoje, transformá-la em nosso único e idealístico sacerdócio”.

Texto de autoria da Psicanalista Lazir de Carvalho dos Santos

FAQ

Dúvidas Frequentes

Atualmente, ainda não existe carteirinha de psicanalista e nem há Conselho de Psicanálise. Além disso, você como Psicanalista, não tem obrigação de se filiar a qualquer órgão público. Ou seja, o Psicanalista não é subordinado a qualquer órgão de fiscalização profissional.

Desde Freud, a Psicanálise é considerada uma ciência leiga (laica), isto é, Freud considerava que profissionais de outros ramos do saber que aprendam o Método Psicanalítico podem atuar, especialmente porque a Psicanálise se funda em conhecimentos dos mais diversos ramos do saber como:

medicina;
psicologia;
ciências naturais;
artes;
mitologia;
sociologia;
história;
literatura;
pedagogia;
linguística, etc.

Em praticamente todos os países do mundo, a Ciência Psicanalítica decidiu ser assim, para preservar o caráter laico (leigo) e não se amarrar nas entranhas burocráticas da institucionalidade.

As associações de psicanalistas existem praticamente em todas as cidades médias e grandes. Em algumas cidades, existem várias delas. Na verdade, essas associações não são órgãos públicos, são grupos de psicanalistas que se reúnem para estudos e trocas de experiências. Por vezes, realizam eventos. A maioria dessas sociedades cobra um valor mensal, para manter e ampliar as atividades.

São livremente criadas por psicanalistas, onde qualquer psicanalista pode se juntar a outros para criar essas Associações ou Sociedades, até porque o direito de associação é livre no Brasil (art. 5º, da Constituição Federal). Assim, a presença nesses grupos é uma opção do Psicanalista. Nós recomendamos muito, pois vai te ajudar a lhe trazer ideias, aprofundar conceitos, fomentar relacionamentos, além do que pode fortalecer sua imagem perante seus analisandos.

Cada uma dessas associações pode ter regras específicas de funcionamento e ingresso de novos associados. Porém, normalmente, elas são abertas até para quem não atua na área: pessoas que gostam de debater Psicanálise, ou está fazendo uma pós-graduação que envolve o conhecimento psicanalítico.

Sim. O PSICANALISTA, dentro das leis brasileiras, é um profissional que trabalha em consultório, clínicas, escolas e outros, seguindo os postulados teórico-técnicos desenvolvidos por Freud ou pelos seus seguidores (neo-freudianos). Os Psicanalistas no Brasil são formados através de CURSO LIVRE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL e são enquadrados na CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE OCUPAÇÕES (CBO) do MINISTERIO DO TRABALHO, Portaria número 397/MTE de 09/10/2002, sob número 2515.50 que reconhece e autoriza o exercício legal da atividade profissional do PSICANALISTA em todo o Território Nacional.

Sim. No Brasil, a atividade psicanalítica não é regulamentada, ou seja, não possuía até o presente curso de graduação autorizado e não tem curso reconhecido pelo MEC nem Conselho Regulamentador da Profissão.

De modo que sua formação caracteriza-se por ser independente, de caráter livre e profissionalizante, sendo os seus profissionais formados por Sociedades Psicanalíticas e/ou Analistas Didatas.

Apesar de manter interfaces com várias profissões pela utilização de conhecimentos científicos e filosóficos comuns a diversas áreas do conhecimento, acaba sendo em algum momento tratada como área de especialização de alguns profissionais como por exemplo os Psicólogos, todavia não se limita a especialidade de nenhuma delas, constituindo-se em uma atividade autônoma e independente, podendo o profissional ser Psicanalista, mesmo não sendo Médico ou Psicólogo.

Sobre isto o Conselho Federal de Medicina no Processo Consulta CFM n° 4.048/97 deixa claro que: “A titulação médico psicanalista não tem amparo legal, não sendo portanto permitida a sua utilização.” mostrando assim que a Psicanálise é uma atividade totalmente distinta da Medicina.

Do mesmo modo que o Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, em resposta ao Processo Consulta n.º 13.518/90 informa que “O Conselho Regional de Medicina tem como atribuição a observância do Código de Ética Médica pelo médico no exercício da profissão, porém, a título de esclarecimento informamos ao consulente que a “psicanálise” é uma modalidade de tratamento psicológico usada por médico ou profissional de outra área, com formação psicanalítica, portanto, não sendo atribuição específica do médico.”

Em resposta a Carta 39/00 de 30/06/2000 o Conselho Regional de Psicologia do Estado de São Paulo diz: “Em resposta a sua solicitação, informamos que: A Psicanálise é uma modalidade de atendimento terapêutico, que é exercida por profissionais psicólogos, psiquiatras e outros que recebem formação específica das Sociedades de Psicanálise ou cursos de especialização neste sentido. Como atividade autônoma não é profissão regulamentada. O Conselho Regional de Psicologia tem competência para fiscalizar o exercício profissional do psicólogo, incluindo-se no caso a prática da psicanálise. Se o profissional que se diz psicanalista não é psicólogo registrado no CRP-SP não temos competência para exercer a fiscalização. Caberia no caso, investigar junto ao CRM ou mesmo junto à Sociedade de Psicanálise, qual o vínculo ou a formação do profissional referido.”

Após todo exposto acima, fica claro que a atividade Profissional do Psicanalista, não só no Brasil, mas em praticamente todo o mundo, é uma atividade vinculada às Sociedades Psicanalíticas e sua formação passada “artesanalmente” pelas clássicas Escolas/Sociedades de Psicanálise.

A atividade profissional do Psicanalista é lícita e reconhecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego Brasileiro sob a CBO (CLASSIFICAÇÃO BRASILEIRA DE OCUPAÇÕES) número: 2515-50.

Ao reconhecimento da Psicanálise no Brasil também podemos acrescentar o Parecer n.º 159/2000 do Ministério Público Federal e da Procuradoria da República do Distrito Federal e o Aviso n.º 257/57, de 06/06/1957, do Ministério da Saúde, este último como marco histórico.

Em matéria de Direito, o exercício da Psicanálise no Brasil é garantido pela Lei Máxima de nosso País, a Constituição Federal, que, em seu Título II, artigo 5º, incisos II e XIII, deixa claro que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; e… é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer.”
Importa salientar que o fato de a Psicanálise não possuir regulamentação não minimiza os rígidos padrões éticos e acadêmicos exigidos para a formação do Psicanalista, muito pelo contrário, um profissional para ser reconhecido como Psicanalista deve possuir não apenas vasto conhecimento teórico, técnico e prático do tema, adquirido em Instituição ou Sociedade Psicanalítica idônea, como também e principalmente deve possuir boa formação e educação, conduta moral ilibada, caráter íntegro e atitudes éticas.

O papel da APIS-AVIA é zelar pela qualidade da formação dos profissionais Psicanalistas no Brasil, reunindo em seu quadro de membros aqueles que cumpriram com o tripé de formação do psicanalista e que estejam em formação.

O Ministério do Trabalho e Emprego, o Conselho Federal de Medicina e o Ministério da Saúde reconhecem o Psicanalista como profissão autônoma, não fiscalizada por conselho algum e não restrita a profissionais da área médica.

A Psicanálise e a Psicoterapia não são profissões regulamentadas no Brasil e, desse modo, não possuem Conselho de Profissão para orientar, fiscalizar e disciplinar o seu exercício e acolher denúncias contra profissionais. Estas atuações profissionais são de livre exercício no Brasil, não sendo privativas/exclusivas de psicólogas/os. A instância de denúncia pela sociedade, nestes casos, é a justiça comum e as delegacias.

Carrinho de compras